Partecipiamo.it ... vai alla home page

Luciano  Somma

 

LA NOTTE COL FOCOLARE SPENTO

A NOITE COM A LAREIRA APAGADA

Autori: Luciano Somma - Itália e Dario G. Di Girolamo

 

Tradução Italiano x Português

 

Dario G. Di Girolamo

Il giorno s´avviava verso la fredda notte 

il timido sole d´inverno non brillava piu

fiocchi di neve dall´alto grigio cadevano

l´orticello si nascondeva nel bianco vuoto

 

Non si vedevano piu tracce di uomini

animali affamati intorno alle cascine

le fioche luci lontane una dopo l´altra

si spegnevano nascondendo l´orizzonte...

 

Questa la scena d'un giorno lontano

che mi strappò dalla terra natìa

e mi portò nella terra straniera

dove il mio pianto si univa alla sera

 

Il tempo ha tracciato il suo solco

ed i versi di questa canzone con la musica

mi riportano in mente il passato

là dove ho vissuto l'inferno

 

Oggi attraverso il vetro delle finestre

guardo l'orizzonte rivivendo un sogno 

con l'ultimo desiderio nascosto sotto le ceneri 

di un focolare che ormai non riscalda piu

 

Poso lo sguardo su un vecchio baule con dentro

dopo tanti anni ancora una speranza viva 

da quel lontano 13 febbraio del lontano

millenovecentocinquantaquattro che mi vide partire. 

................................................

Campinas /marzo /23 /2009
Napoli /Marzo /25 /2009

Dia s´encaminhava em direção á fria noite

o tímido sol de inverno não brilhava mais

flocos de neve do alto cinzento caiam 

a horta se escondia sob um manto branco

 

Não se viam mais pegadas de homens 

animais famintos arredor dos casebres

as fracas luzes distante uma pos a outra

se apagavam escondendo o horizonte

 

Esta é a cena de um dia distante

que me arrancou da terra nativa

e me levou na terra estrangeira

onde o meu pranto se unia á noite

 

O tempo ha traçado o seu sulco

e os versos desta canção com a musica

me trazem em mente o passado

lá onde tenho vivido o inferno

 

Hoje através os vidros das janelas

olho o horizonte revivendo um sonho

com o ultimo desejo escondido sob as cinzas  

de uma lareira que agora não esquenta mais

 

Pouso o olhar sobre um velho baú com dentro

apos tantos anos ainda uma esperança viva

daquele distante noite fria 13 fevereiro

milenovecentocinquentaquatro que me viu partir .

 

................................................

Campinas /março /23 /2009
Napoli /Marzo /25 /2009