Partecipiamo.it ... vai alla home page
 
Luciano Somma
 
 

FRIDDO

FRIO
 

'O friddo, stu friddo,

che sento 'int''e vvene

che gela sti ccarne

che tremma 'int''o core

me porta l'affanno

d''o mmale d''o munno

cchiù funno d''o funno

cchiù amaro d''o chianto.

Nu poco 'e calore

purtarria 'o sereno

na smania d'ammore

ca invece nun vene

...e 'o friddo me pogna

cchiù acuto 'e na freva

stu ghiaccio è tagliente

che trase e cammina.

'O sanghe malato,

'o ppane stentato,

na mano ch'accide,

na voce 'e dannate.

Stu friddo è pussente,

me pare n'inferno

sta vita ca è niente,

però nun è vierno!

 

 

Da UNA POESIA PER UNA CANZONE

Poesie finaliste

La Villanella- Napoli 1995

O frio, este frio,

Que sinto nas veias

Que gela esta carne

Que no coração treme

Só traz-me o desgosto

Dos males do mundo

Mais fundo que o fundo

Mais acre que o pranto

Um pouco que esquente

Tranqüilizaria

Frenesi de amor

Que ainda não chega

E  o frio se me enfia

Sutil  mais que febre

É um gelo que corta

Que invade e se espalha.

O sangue doente,

O pão padecido,

A mão que destroça

A voz do danado.

Possante é este frio,

Parece um inferno

A vida, que é nada

Mas não é inverno!

 

Traduzione GIUSEPPE BUTERA